A procura da essência.
12:22 | Author: § Tatiana Gerivazo
Meu peito se enche de dor quando respiro.
Odeio essa melancolia súbita.
Me faz sentir como se tivesse sido esfaqueada.
E que durante este ato meu assassino tenha me revelado uma verdade que me trouxe a magoa que sinto.
Mas nada me foi revelado até então, é tudo muito inesperado, emoção que explode no calar da noite.
As vezes fico a pensar... e se meu subconsciente tiver tido alguma revelação?
Talvez isso explicasse o porque desta tristeza.
A única coisa que chegou até mim foi a emoção desta revelação, mas nada além disto.
E tenho tanta vergonha de chorar.
E se alguém me ver? E se me perguntarem sobre meu pranto?
Acho que corro.
Não terei resposta alguma na ponta da língua, e minha vontade de dizer a verdade irá destruir minhas improvisações.
Eu poderia simplesmente dizer: Não sei.
Porém ao admitir minha ignorância, achar iam que estou mentindo.
Bendita mania que todos tem de achar que tudo tem resposta.
Esse hábito cretino me faz me envergonhar da maioria das minhas ações.
Mas a única que consigo me lembrar com clareza é a de chorar.
Cansei de querer chorar por brigas que nem minhas eram.
Por pessoas que nem me importavam.
Por querer chorar só para expor toda minha fragilidade.
Eles me congelaram.
Congelaram-me com seus olhares, impediram-me de mostrar quem sou.
Desaprendi a ser quem sou.
E por mais livre que as palavras corram em minha mente, sem medo de autocensura, eu não me encontro.
Não consigo mais me encontrar.
Fui moldada.
Não sei achar a essência escondida.
Não sei por onde começar essa busca perdida.
Não sei nem sequer se vale a pena ir atrás dessa essência.
Acho que o pior é essa sensação de cegueira.
Eu sei que ela está aqui! Uma energia que percorre em torno do meu corpo e me arrepia.
Sinto ela aqui comigo, mas não a vejo e não tenho como caracterizá-la.
Digo, eu estou aqui em algum lugar, adormecida.
Mas como separar o que sempre foi meu e o que escolhi com o tempo que fizesse parte de mim?
Ou que escolheram para mim. Tanto faz na verdade, estarei no lucro nas duas situações mesmo...
Na verdade tanto faz tudo para mim.
Mas só para mim, para os outros... Esqueça, eles não me importam também.
Só gostaria de ter percebido isso antes.
Gostaria de nunca ter deixado todas as portas que levavam a minha alma abertas.
Não devia ter deixado todos entrarem e saírem sem obrigá-los a arrumar o estrago feito. Ou simplesmente nunca devia tê-los deixado entrar.
Sinto como se cada um tivesse entrado nesta salinha branca com minha essência ao centro e tivessem cada um moldado a seu gosto e feito suas adaptações.
Porque ninguém sabe apreciar algo? Não podiam só ter visto a beleza que existia ali e terem saído?
Para que sempre criticar e querer padronizar a um ideal de beleza?
Graças a estes bastardos metidos a artistas é que mantenho está porta trancada a sete chaves.
E eu perdi todas as sete chaves.
O máximo que consigo é olhar pela fechadura e sentir aroma que escapa pelo pequeno buraco.
Talvez se todos soubessem cada um desempenhar sua função, sem está babaquice de mudar a mente das pessoas.
Se todos fossem em busca cada um da sua verdadeira evolução, talvez eu não estivesse perdida em mim mesma.
Afogada em mim, perdida e confusa.
Talvez ao olhar, não víssemos aparências, mas a verdade.
Mas isto tudo não passa de uma suposição e de uma vontade de fazer justiça a algo que me tomaram.
Há injustiças demais por aqui, e por mais que eu as cometa também, me alivia ter consciência delas.
Alivia, mas não trás paz.
Por que não vamos todos nós, em busca de nós mesmos?
Não procuro perfeição, paz, modelos ideológicos.
Apenas por algo claro como água. Que não seja mutável e que não mude.
Quero a minha essência de volta, e eu irei remoldá-la até conseguir recuperar sua forma original. Caso contrário, nada mais me importa.
Encarando as Verdades
17:45 | Author: § Tatiana Gerivazo
Está noite eu quero um jeito de transpor minha dor/ Uma verdade tomou conta de todo o meu pensar e eu sei que, nada fará isso passar se eu não desabafar/ Não sei se é medo / De estarem perto de descobrir quem de fato sou/ Medo que descubram antes de mim / Quem eu sou /Medo da verdade pular da minha mente para suas bocas/ E se realmente me decodificarem?/ O quão ruim será estar expostas aos seus dogmas?/Acho que ninguém realmente compreende este pavor/ Uma verdade que vai me fazer crescer/ Mas por que pra isso tenho que sofrer?/ As vezes me recuso a evoluir/ Como me deixar ferir, sem deixar as velhas feridas cicatrizarem?/ Não me diga mais verdades / Ela dói, até pior que uma mentira mal dita/ Eu quero jogar fora a emoção/ Deixar aqui só a razão/ chorar sabendo o motivo/ parar de sonhar com perfeição/ cansei de mentir/ Da verdade eu sempre soube/ Não é por ter conciência dela que deixará de me agoniar/ Como apresentar a realidade a uma ilusionista?/Como acabar com o sonho da padaria?/ Como explicar a uma criança que mentira é tudo aquilo que seus pais lhe contaram na vida?/Sou eu louca por querer mudar minha realidade?/ Como ainda pode me dizer mais verdades?/ Já não sei o bastante?/ Pare de tentar me fazer chorar! Eu quero sonhar! Pare de tentar! Pare de tentar! / E se eu só quiser brincar de sonhar?

Talvez, por Tatiana Gerivazo, mas talvez seja só mais uma mentira.
Você sabe.
10:39 | Author: § Tatiana Gerivazo
Dói ser ingrata.
Dói desejar durante uma vida por alguém e quando esse alguém chega, provar a si mesma que não era nada disso que você queria.
Foi só uma ambição, um desejo... Não devia ter virado realidade.
Mas de tanto desejar, real o sonho se fez.
É inútil se arrepender do sonho, ele te fez tão feliz nas horas de solidão.
Mas como evitar a culpa de ter de abandoná-lo justo quando ele se torna real?
Como não se culpar?
Ele era só fruto de seu sonho?
Será que foi ele quem ouviu seu chamado desesperado nas noites vazias?
Ou ele é mais que só um sonho seu, ele é real.
Ele é um ser humano.
Sim, um alguém que estava próximo e procurava o que você procurava.
Uma coincidência de ambições.
Valeu a pena?
Parecia só uma brincadeira, e no final, brincar de juntar os sonhos deu em um juntar de vidas.
Mas você é sozinha, não é querida?
Você jamais poderia se mesclar a ele.
Você sabe que tem que deixá-lo ir.
E é isso que você faz.
Sem remorso, tirou um peso de si.
Era um trabalho árduo se manter tão sorridente, tão amável, tão sedutora sem nem ao menos querer.
Você jamais devia ter deixado as coisas irem acontecendo.
Devia ter manipulado tudo friamente.
Porque se deixar confundir pela poesia, você sabe como palavras bonitas bem alinhadas são fatais.
Sim, você sabe.
É por isso que ama manipular as palavras, elas te dão poder.
E o que você mais ama, é o fato delas não te atingirem.
Você sempre as lê com tanta frieza.
Mas quando alguém as cita, de forma natural, sem planos, sem truques, sem estruturas poéticas.
Você se vê iludida.
E o ridículo é que tem consciência disso.
Você foi iludida.
Quanto medo, mas qual realmente é o seu medo?
O de achar alguém que te iluda, ou de ficar sozinha para sempre?
Você detesta a sensação de estar sendo enganada e estar gostando disso, não é?
Por isso se afastou da realidade e se escondeu em seus sonhos.
Porque eles são só uma fantasia que te agradam, sem te decepcionar.
Mas o mundo não está sob seu controle como está em seus sonhos.
É tudo imprevisível, e você não quer se abrir de novo. Eles vão te machucar... E você sabe.
Deixa ele ir, você ainda vai encontrar outro que não pareça que vá te machucar. Mas você também sabe que é exatamente este que vai.
Sabe que está se privando por medos infantis.
Sabe que tem que chorar de verdade para evoluir.
Sabe que é só uma criança e está com medo.
É... Eu sei.

Eu também sei chorar
14:33 | Author: § Tatiana Gerivazo

Eu tenho apenas um coração.

Não falo daquele que pulsa sangue para todo o meu corpo, mas aquele dos românticos.

Não consigo ver meus sentimentos como uma coisa só, por isso imagino meu coração com vários setores.

Você tinha livre acesso pela maioria destes.

Mas mesmo sem querer, fui obrigada a te tirar esse direito.

Afinal, você quase me levou a uma falência.

Ainda não consigo acreditar que tenha invadido meus sonhos e tenha feito tão pouco caso.

Logo quando tudo estava virando realidade... Você quis me acordar.

Berrando meu nome, claro.

Faça-me o favor de nunca mais o pronunciar.

Nem mesmo escrever!

Você só estará me envergonhando de tamanha capacidade.

É a única coisa de que é capaz, me envergonhar.

Então não adianta mais mentir, gritar, reprimir, ameçar, sumir e poetisar.

Nossa poesia acabou.

Foram só as cervejas que sobraram.

Talvez sejam elas que te tenham deixado tão inspirado.

Foi o que te fez imaginar este personagem ao qual você vestiu.

O personagem que sempre esteve ai, mas que só agora você o entendeu.

E não pense que invejo sua atuação.

Não é nem capaz de criar um.

Apenas resgatar da memória algo já encenado.

Essa peça é velha e o final não surpreende.

Você é previsível como um filme de amor.

E eu sou a mocinha tola, que achou que no final você iria mudar.

Eu sabia que não, mas eu precisava confiar em você para que você confiasse em mim.

E você fingiu confiar em mim.

Eu não.

Eu não fingi.

Eu jamais quis mentir que fingi... Eu jamais fingi.

Não para você...

Mas não tive como vencer meu orgulho. Eu jamais admitiria que não fingi.

Eu derramei lágrimas por você.

Pois é, não fique surpreso ou pense que é mentira.

Só quero que enxergue minha dor apesar das negações.

Arregale os olhos para minha face pálida, abatida e cansada.

Peça desculpas, não finja que não viu.

Se quisesse, teria sido o primeiro a ver.

A ver que também sou capaz de chorar, e até de amar.

Mas não, não mais...

Graças a você, não somente a você mas a todos os outros, sou somente capaz de chorar.

E muito em breve, nem mais isso.

Meu verdadeiro amor
16:32 | Author: § Tatiana Gerivazo

De muita coisa em minha vida eu já desisti, quase tudo na verdade.

Mas há algo que está aqui comigo deste os meus pensamentos mais primitivos.

E que não há como abandonar sem ter a consequência de morrer.

Isso de que falo é o ato de escrever.


Palavras bem alinhadas que me fazem rir e chorar.

Ou que não fazem nada, mas me fazem pensar.

Não há nada que me faça parar.

Não há Deus ou força maior que consiga me impedir.


Não adianta me tomar a caneta.

Me cortar as mãos.

Sumir com minha voz.

Me fazer parar de pensar.

Eu posso não existir mais, e no mínimo serei a poesia soprando no ouvido de outro escritor.


Então não adianta tentar me tomar este amor.

Não há quem consiga.

Desafio o mundo e até a Deus a tentarem!

Quem quer vir até mim e tentar me tomar as palavras?

O melhor dos vícios.

O melhor dos remédios.

E quem sabe, o melhor dos venenos.


E eu posso estar sozinha e sem um leitor para me dar atenção.

Mas eu vou continuar a escrever, até mesmo depois da caneta secar.

Viverei em exclusão em uma caverna, usando de pedras para arranhar palavras pelas paredes rochosas.

E depois que as pedras acabarem, usarei meu sangue se for preciso.

Não é drama, é paixão forte e inabalável.

Algo que enfim não pode me trair.

Algo que, enfim, é eterno.

Algo que enfim, posso chamar de amor.

O mundo não vai me devolver
12:12 | Author: § Tatiana Gerivazo
Eu perco completamente as forças ao lembrar do teu olhar.
Não é só isso que me faz agora ficar sem forças, mas não ajuda a resgatar nenhuma delas.
Aquele olhar de 'vejo você amanhã'. Aquilo é de matar.
Quem te garantiu que estaria sempre aqui?
Seja quem for, mentiram para você.
E o que me deixa mais triste, é saber que foi fácil te enganar.
Eles me jogam na cara todo dia o quão fácil foi te impressionar com uma falsa sentença.
E eu me lembro do seu olhar, e é exatamente nessa parte que a solidão me cons
ome.
Eu tenho tanto medo dessa alegria passar, que já estou voltando ao meu mundinho novamente.
Porque eu adoro tanto quando você está por perto, é ter certeza de que alguém se importa comigo.
Então nada mais importa.
Mas agora que a dúvida de seu sentimento por mim me possui até o fim.
Então tudo volta a importar-me.
Queria que me olhasse com medo do amanhã.
Sem essa facilidade toda de me perder para o mundo.
E se o mundo não quiser me devolver? Como vai ser?
Você ao menos vai se arrepender?
Me diz que vai sentir remorso de me deixar aqui.
Nessa rua escura, estendida e chorando sangue.
Eu só queria partir sem dúvidas.
Mas estou regredindo, me transformei em uma criança com medo.
Meu consolo? Ninguém pode me ver mais.
Eu deveria ter vergonha de morrer com meus últimos pensamentos serem para você.
Mas o que posso fazer? O coração pede esses pensamentos para diminuir a dor daquele que a pouco maltratava meu corpo.
Mas a razão me faz ver o erro desses sentimentos, e tudo isso só trás mais dor.
Por que diabos eu só consigo sentir dor?
Por que não posso me sentir feliz?
Eu estou tão cansada da dor. Eu a amo, mas como amar outra coisa?
Foi só ela que tive a vida toda.
E quando pensei ser capaz de amar algo além, você se mostrar tão sem interesse.
Ninguém quer me decifrar?
Mas agora esqueça. Deixe isso para aqueles médicos, já vão ter muito que supor sobre as facadas e marcas de mão em meu corpo.
Eu sei que esse drama e essa dor são em vão.
Você não é o meu príncipe encantado. Mas foi o mais perto que consegui chegar dele...
Tudo bem, eu não ligo mais da respiração doer, do sangue esfriar, do corpo latejar.
Eu fico feliz de me enganar com teu sorriso.
Eu fico feliz de serem os meus últimos pensamentos.
Fico feliz de ser o último...
.